quinta-feira, 31 de julho de 2014

EU DELIRO, TU DELIRAS

Ao  desconfiar que alguém delira, não julgue.Pense primeiro“o que estará sentindo o suposto delirante?”.Quem delira pode não estar delirando, ou seja, pode estar apenas pensando em voz alta. Afinal, como seres do pensamento,deliramos. Uma barreira colocada entre nós e o dito mundo real impede que o delírio se torne um problema. Sim, torna-se um problema quando a ordem “natural” das coisas é  rompida a nível da conduta.Para o bom senso isso é  insuportável, ou quase insuportável. Parece claro.Há uma ordem racional do mundo que instituiu e institui valores, normas e códigos. Isso em toda parte. Uma necessidade de ordem e bom comportamento parece fazer as coisas andarem. O binômio ordem/desordem vem daí, alimenta-se de possíveis desvios que o confirmam.A todo custo, a ordem tem que ser mantida,começando pela família.Nesse estado de coisas o delírio é uma linha de vida  não classificável. 
(...)
A..M.

O VALOR DO VOTO


quarta-feira, 30 de julho de 2014

HOJE

O que menos quero pro meu dia
polidez,boas maneiras.
Por certo,
um Professor de Etiquetas
não presenciou o ato em que fui concebido.
Quando nasci, nasci nu,
ignaro da colocação correta dos dois pontos,
do ponto e vírgula,
e, principalmente, das reticências.
(Como toda gente, aliás...)

Hoje só quero ritmo.
Ritmo no falado e no escrito.
Ritmo, veio-central da mina.
Ritmo, espinha-dorsal do corpo e da mente.
Ritmo na espiral da fala e do poema.

Não está prevista a emissão
de nenhuma “Ordem do dia”.
Está prescrito o protocolo da diplomacia.
AGITPROP – Agitação e propaganda:
Ritmo é o que mais quero pro meu dia-a-dia.
Ápice do ápice.

Alguém acha que ritmo jorra fácil,
pronto rebento do espontaneísmo?
Meu ritmo só é ritmo
quando temperado com ironia.
Respingos de modernidade tardia?
E os pingos d’água
dão saltos bruscos do cano da torneira
e
passam de um ritmo regular
para uma turbulência
aleatória.

Hoje...

Waly Salomão

EXAUSTÃO

Médicos palestinos após ataques de Israel

Morre o principal especialista em ebola de Serra Leoa

O médico que liderava os esforços de Serra Leoa contra o pior surto de ebola da história morreu ontem após ser contaminado pelo vírus, disse a principal autoridade de saúde do país.
A morte de Sheik Umar Khan, que tratou de mais de cem pacientes, ocorre após o falecimento de dezenas de funcionários da saúde e a infecção de dois médicos americanos na vizinha Libéria, destacando os perigos enfrentados pela equipe que tenta conter a propagação da doença na África Ocidental.
(...)
Fonte: O Globo
O amor quer a posse, mas não sabe o que é a posse. Se eu não sou meu, como serei teu, ou tu minha? Se não possuo o meu próprio ser, como possuirei um ser alheio? Se sou já diferente daquele de quem sou idêntico, como serei idêntico daquele de quem sou diferente? O amor é um misticismo que quer praticar-se, uma impossibilidade que só é sonhada como devendo ser realizada. 

Fernando Pessoa in O Rio da Posse

terça-feira, 29 de julho de 2014

O verdadeiro espírito de revolta consiste justamente em exigir a felicidade aqui na vida.

Henrik Ibsen

JARDS MACALÉ - Provocações


Hoje sinto no coração
um vago tremor de estrelas,
mas minha senda se perde
na alma de névoa.

A luz me quebra as asas
e a dor de minha tristeza
vai molhando as recordações
na fonte da ideia.

Todas as rosas são brancas,
tão brancas como minha pena,
e não são as rosas brancas
porque nevou sobre elas.

Antes tiveram o íris.
Também sobre a alma neva.

A neve da alma tem
copos de beijos e cenas
que se fundiram na sombra
ou na luz de quem as pensa.

A neve cai das rosas,
mas a da alma fica,
e a garra dos anos
faz um sudário com elas.

Desfazer-se-á a neve
quando a morte nos levar?
Ou depois haverá outra neve
e outras rosas mais perfeitas?

Haverá paz entre nós

como Cristo nos ensina?
Ou nunca será possível
a solução do problema?
E se o amor nos engana?
Quem a vida nos alenta
se o crepúsculo nos funde
na verdadeira ciência
do Bem que quiçá não exista,
e do mal que palpita perto?

Se a esperança se apaga
e a Babel começa,
que tocha iluminará
os caminhos da Terra?

Se o azul é um sonho,
que será da inocência?
Que será do coração
se o Amor não tem flechas ?

Se a morte é a morte,
que será dos poetas
e das coisas adormecidas
que já ninguém delas se recorda?

Oh! sol das esperanças!
Água clara! Lua nova!
Coração dos meninos!
Almas rudes das pedras!

Hoje sinto no coração
um vago tremor de estrelas
e todas as coisas são
tão brancas como minha pena.

Frederico Garcia Lorca

segunda-feira, 28 de julho de 2014

O TEATRO DA ONU

Conselho de Segurança da ONU pede cessar-fogo incondicional em Gaza
Declaração assinada por todos os membros foi feita após reunião nos EUA.
Em 20 dias de conflito entre Israel e Hamas, mais de mil pessoas morreram.

O Conselho de Segurança da ONU formalizou um pedido de "cessar-fogo humanitário imediato e incondicional" entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza após uma reunião de emergência realizada em Nova York no início da madrugada desta segunda-feira (28).

Em uma declaração aprovada por todos os 15 membros, o órgão também pediu uma trégua "duradoura" baseada em uma iniciativa do Egito, segundo a qual o fim das hostilidades abre o caminho para negociações sobre o futuro de Gaza, incluindo a abertura das fronteiras do território. O pedido solicita ainda que a pausa nos combates ocorra em função do feriado muçulmano de Eid al-Fitr, que deve começar nos próximos dias, e se estenda depois disso.

O comunicado destacou que "instalações civis e humanitárias, incluindo as da ONU, devem ser "respeitadas e protegidas" e enfatizou a necessidade do "fornecimento imediato de assistência humanitária à população palestina na Faixa de Gaza".
(...)
Fonte: G1, em S. Paulo
São necessários dois anos para aprendermos a falar e sessenta para aprendermos a calar.

Ernest Hemingway

JOSÉ ZBUKVIC


domingo, 27 de julho de 2014

SEM OLHOS EM GAZA

Guerra entre a liderança palestina e o governo de Israel se trava pelo controle da narrativa do horror.

Foi em 1936 que Aldous Huxley, autor do clássico “Admirável mundo novo”, espécie de antiutopia sobre a desumanizada sociedade do futuro, publicou o aclamado “Sem olhos em Gaza”. Retrato sem contemplações da espécie humana, o romance tem por título um verso de John Milton (1608-1674) sobre a cegueira do personagem bíblico Sansão na Gaza dos filisteus. No livro, Huxley ambienta na alta sociedade britânica no início do século XX a cegueira inerente ao homem.

O mundo melhorou pouco de lá para cá. Hoje continua-se a tatear em Gaza, sempre às cegas. Dentro do enclave de 40 quilômetros de extensão e menos de dez quilômetros de largura vivem perto de dois milhões de palestinos ali confinados. Há três semanas eles não conseguem escapar da ratoeira transformada em campo de morte em pleno Ramadã.

Fora do enclave, a guerra entre a liderança palestina e o governo de Israel se trava pelo controle da narrativa do horror. São mútuas as acusações de responsabilidade do outro pelos mais de 800 mortos e 160 mil deslocados que vagam por Gaza desde o início da operação militar lançada por Israel. O ponto de não retorno parece ter sido atingido na quinta-feira, quando uma escola empilhada de famílias e transformada em abrigo de emergência pela ONU foi alvejada pela artilharia das Forças Armadas invasoras.
(...)
Fonte: Dorrit Harazim, O Globo
A prostituta só enlouquece excepcionalmente. A mulher honesta, sim, é que, devorada pelos próprios escrúpulos, está sempre no limite, na implacável fronteira.

Nelson Rodrigues

MICHEL FOUCAULT

Um pensador inominável

BRAÇOS

Braços nervosos, brancas opulências, 
brumais brancuras, fúlgidas brancuras, 
alvuras castas, virginais alvuras, 
latescências das raras latescências. 

As fascinantes, mórbidas dormências 
dos teus abraços de letais flexuras, 
produzem sensações de agres torturas, 
dos desejos as mornas florescências. 

Braços nervosos, tentadoras serpes 
que prendem, tetanizam como os herpes, 
dos delírios na trêmula coorte ... 

Pompa de carnes tépidas e flóreas, 
braços de estranhas correções marmóreas, 
abertos para o Amor e para a Morte!

Cruz e Sousa

CHICO ANISIO - Deputado Justo Veríssimo


TEMPOS ESQUIZOFRÊNICOS

Após mais de cem anos (referentes às pesquisas de Freud) a histeria sobrevive hoje embutida na clínica dos psicofármacos, ou da psiquiatria biológica, ou da neuro-psiquiatria, ou da psiquiatria positivista, ou da neuromania, tanto faz. Não como uma entidade psicopatológica, claro, mas como composição de linhas de subjetividade esquartejadas pelo modo de viver. Ora, o modo de viver atual = modo de produção socio-subjetivo-capitalístico, ou seja, modo de produzir a tecno-loucura, numa palavra, a esquizofrenia. 

A.M.
Conheço a minha sina. Um dia, meu nome será ligado à lembrança de algo tremendo - de uma crise como jamais houve sobre a Terra, da mais profunda colisão de consciência, de uma decisão conjurada contra tudo o que até então foi acreditado, santificado, querido. Eu não sou um homem, sou dinamite.

Nietzsche
Deus é humorista.


Otto Lara Resende

ROBERT FINLEY - Concerto de Varsóvia


TERCEIRO AMOR

O primeiro amor já passou
o segundo amor já passou 
como passam os afluentes
como passam as correntes
que desencontram do mar
Como qualquer atitude
também passa a juventude
que nem findou de chegar

O primeiro amor já passou
o segundo amor já passou
como passam os espelhos
como passam os conselhos
ilusões de pedra e cal
Como passam os perigos
e tantos muitos amigos
sem deixar nenhum sinal

O primeiro amor já passou
o segundo amor já passou
como passam as gaivotas
as vitórias as derrotas
fantasias carnavais
as inocências perdidas
como passam avenidas
corredores temporais
A correnteza dos rios
como passam os navios
que a gente acena do cais

Cacaso
Os homens. É preciso amar os homens. Os homens são admiráveis. Sinto vontade de vomitar – e de repente aqui está ela: a Náusea. Então é isso a Náusea: essa evidência ofuscante? Existo – o mundo existe -, e sei que o mundo existe. Isso é tudo. Mas tanto faz para mim. É estranho que tudo me seja tão indiferente: isso me assusta. Gostaria tanto de me abandonar, de deixar de ter consciência de minha existência, de dormir. Mas não posso, sufoco: a existência penetra em mim por todos os lados, pelos olhos, pelo nariz, pela boca… E subitamente, de repente, o véu se rasga: compreendi, vi. A Náusea não me abandonou, e não creio que me abandone tão cedo; mas já não estou submetido a ela, já não se trata de uma doença, nem de um acesso passageiro: a Náusea sou eu.

Jean-Paul Sartre

JAVIER SANCHEZ


Por que Hollywood evita falar sobre Gaza?

Hollywood tem mantido silêncio sobre conflito em Gaza

Ao longo das décadas, muitas estrelas de Hollywood não hesitaram em expressar publicamente suas posições políticas ou emprestar sua imagem para apoiar diversas causas humanitárias.

Mas, nos últimos dias, quando o mundo debate a operação militar de Israel na Faixa de Gaza, durante a qual morreram até agora mais de 900 palestinos e 35 israelenses, o silêncio impera no templo das celebridades americanas.

Nesta semana, a revista americana The Hollywood Reporter publicou um artigo em que analisa as razões pelas quais a indústria do entretenimento permanece calada sobre o atual conflito entre Israel e o Hamas.

Na reportagem, intitulada "Regra número um: fale de qualquer assunto político em Hollywood...exceto de Gaza", a jornalista Tina Daunt escreve que "enquanto o número de vítimas continua a aumentar", há, nas altas esferas da indústria cinematográfica, uma relutância "atípica" para falar sobre o que está acontecendo no Oriente Médio.
(...)
Fonte: Jaime González, BBC Brasil

sábado, 26 de julho de 2014

GERMAN LORCA


103 a 0

Os EUA tiveram uma guerra civil que custou cerca de 600 mil vidas. A Alemanha foi derrotada duas vezes no período de 27 anos e a França foi ocupada pelos alemães. Outros países tiveram grandes traumas por terremotos e maremotos.

Nossos traumas foram derrotas no futebol: para o Uruguai, em 16/7/1950, e Alemanha, em 8/7/2014. Sofremos por causa dos 7 a 1 no futebol, mas esquecemos dos 103 a Zero para a Alemanha em Prêmios Nobel.

A realidade social não nos traumatiza porque nossos grandes problemas foram banalizados.

Consideramos tragédia ter o quarto melhor time de futebol do mundo, mas não nos traumatiza quando, no dia 1/3/11, a UNESCO divulgou que estamos em 88º lugar em educação; nem quando, em 15/3/13, o PNUD divulgou que estamos em 85º lugar no Índice de Desenvolvimento Humano; ou quando o Banco Mundial nos coloca como o 8º pior país em concentração de renda; ou ainda quando soubemos que somos o 54º país em competitividade no mercado mundial; ou quando o IBGE divulgou, em 27/9/13, o aumento no número de adultos analfabetos entre 2011 e 2012.

Nenhum trauma aconteceu quando a Transparência Internacional nos reprova em corrupção; ou quando vemos que, no ano passado, 54 mil brasileiros foram assassinados no país e outros 50 mil mortos no trânsito.

Não nos traumatiza o fato de que 50 milhões de brasileiros - desalojados históricos pelo modelo econômico - passariam fome se não fossem as pequenas transferências de renda, como se eles fossem abrigados depois de uma inundação.

Não nos choca a destruição de 9% a mais de florestas em 2013 do que em 2012.

Sofremos com as derrotas no futebol porque elas não foram banalizadas, são exceções na nossa trajetória de vitórias.

Não nos traumatizam os desastres sociais porque nos acostumamos a eles e nos acomodamos. Por isso, não exigimos de nossos líderes políticos o mesmo que exigimos dos jogadores e técnicos.

Ao ouvir David Luiz pedir desculpas porque não foi “capaz de fazer seu povo feliz, pelo menos no futebol”, pensei que deveria pedir desculpas a ele, porque sou parte da seleção brasileira de líderes políticos e não consigo fazer o necessário para facilitar a vida de cada brasileiro em busca de sua felicidade.

O político não proporciona felicidade, como um artilheiro que faz gols, mas deve eliminar os entulhos sociais, tais como, transporte público ineficiente, fila nos hospitais, escolas sem qualidade e violência descontrolada, que dificultam o caminho de cada pessoa em busca de sua felicidade pessoal.

Esses entulhos sociais que povoam o Brasil provam que nós, os políticos brasileiros, não estamos ganhando a Copa do Bem Estar, base necessária, embora não suficiente, para a felicidade de cada pessoa.

Por isso, eu e todos os políticos com mandatos, não David Luiz, devemos pedir desculpas por não eliminarmos os entulhos que dificultam a busca da felicidade por cada brasileiro.

Cristovam Buarque

Só depois que a tecnologia inventou o telefone, o telégrafo, a televisão, a internet, foi que se descobriu que o problema de comunicação mais sério era o de perto.

Millôr Fernandes

GAL COSTA - Sua Estupidez


HUMANISMO CANALHA

Hamas e Israel aceitam trégua temporária por 12 horas

O Exército israelense e o Hamas confirmaram um cessar-fogo humanitário a partir das 8h local (2h Brasília) deste sábado na Faixa de Gaza, por um período de 12 horas. Um funcionário americano já havia anunciado que o Exército hebreu observaria uma trégua de 12 horas, a partir da manhã de sábado.Em seu comunicado, o Exército informa uma "janela humanitária na Faixa de Gaza", entre 08H00 e 20H00 local.
O Exército afirma que quem foi instruído a abandonar sua casa não deve voltar e que as operações para destruir os túneis em Gaza vão continuar.
Um funcionário israelense citado pelo jornal Haaretz revelou que o cessar-fogo deve permitir o envio de água, alimentos e medicamentos à população na Faixa de Gaza, onde as organizações internacionais poderão entregar ajuda humanitária.
(...)
Fonte: O Globo

sexta-feira, 25 de julho de 2014

PSQUIATRIA DEPRESSIVA

(...)Tudo é cérebro como origem.Trata-se de um reducionismo fabricado em nome da razão médica. Ao inverso, buscamos detectar afetos sutis que só se expressam  (grosseiramente) como depressão, e daí se inscrevem num rebaixamento da vitalidade. Isso pode ser a depressão como a“doença” ou tão apenas uma síndrome ou uma reação depressiva às circunstâncias sócio-metafísicas. De todo modo, o encontro com os afetos  busca a intensidade dos mesmos a partir das condições subjetivas do paciente. Qualquer um pode deprimir à medida em que vivencia a cultura da culpa inscrita na carne. Somos todos  cristãos e deprimidos.O paciente traz o humor como um dado que muitas vezes lhe foi  inculcado: “sou  bipolar”. Trata-se de um processo de subjetivação psiquiátrica que se impõe como verdade diagnóstica. Devires são cortados. O humor hipotímico“evolui” para um grau de vitalidade compatível com a doença psiquiátrica: ausência  da vontade de viver. Ora, como  recusar o grito desesperado do paciente? 
(...)
A.M.
Invernáculo

Esta língua não é minha,
qualquer um percebe.
Quem sabe maldigo mentiras,
vai ver que só minto verdades.
Assim me falo, eu, mínima,
quem sabe, eu sinto, mal sabe.
Esta não é minha língua.
A língua que eu falo trava
uma canção longínqua,
a voz, além, nem palavra.
O dialeto que se usa
à margem esquerda da frase,
eis a fala que me lusa,
eu, meio, eu dentro, eu, quase.

Paulo Leminski

ILYA PRIGOGINE

O pensador do Tempo

PENSAMENTO DO ACASO

(...) O que é pavoroso não tem nenhum título para seduzir os homens, sejam eles filósofos ou não. E o pensamento do acaso-pensamento materialista-é um pensamento de pavor, que inquieta tanto o pensador quanto aquele que os filófosos chamam o homem de rua; e,entre os pensadores,tanto os espiritualistas de tipo religioso quanto os idealistas de tipo antiideológico(... ) (...)Na origem do caráter pavoroso, ou do materialismo do acaso,podem ser alegadas duas grandes ordens de razões: 1.A idéia de acaso dissolve a idéia de natureza e põe em questão a noção do ser; 2.Ela junta-se precisamente à definição que em seguida a Freud a psicanálise propôs do terror: a perda da familiaridade ou, mais exatamente, a descoberta de que o familiar é,de maneira inesperada, um domínio desconhecido por excelência, o cume da estranheza.
(...)
Clement Rosset in Lógica do Pior

JEREMY MANN


468 MILHÕES

Valor, calculado pela Pluri Consultoria, diz respeito aos 61,4% de lugares vazios nos estádios no Brasileirão do ano passado

Os clubes da Série A do Campeonato Brasileiro deixaram de faturar R$ 468 milhões com venda de ingressos em 2013. A constatação é da Pluri Consultoria, através de um estudo sobre taxa de ocupação nos estádios. O Brasileirão aparece em 35º lugar no ranking mundial, atrás, por exemplo, da A-League, a primeira divisão do futebol da Austrália.

No ano passado, os estádios do Brasileirão tiveram uma taxa de ocupação de 38,6%. Ou seja, cada estádio, em média, teve 61,4% de lugares vazios. Essa porcentagem, na soma de todos os jogos, equivale a 9 milhões de ingressos, ou R$ 468 milhões.
(...)
Fonte: Ig. Pluri Consultoria
A verdade pode ser intrigante. Pode dar algum trabalho lidar com ela. Pode ser contra-intuitiva. Ela pode contradizer preconceitos profundamente enraizados. Pode não se coadunar com o que queremos desesperadamente que seja verdade. Mas nossas preferências não determinam o que é verdade.

Carl Sagan

PARABÉNS!


OS LADOS

Há um lado bom em mim.
O morto não é responsável
Nem o rumor de um jasmim.
Há um lado mau em mim,
Cordial como um costureiro,
Tocado de afetações delicadíssimas.

Há um lado triste em mim.
Em campo de palavra, folha branca.

Bois insolúveis, metafóricos, tartamudos,
Sois em mim o lado irreal.

Há um lado em mim que é mudo.
Costumo chegar sobraçando florilégios,
Visitando os frades, com saudades do colégio.

Um lado vulgar em mim,
Dispensando-me incessante de um cortejo.
Um lado lírico também:

Abelhas desordenadas de meu beijo;
Sei usar com delicadez um telefone,
Nâo me esqueço de mandar rosas a ninguém.

Um animal em mim,
Na solidão, cão,
No circo, urso estúpido, leão,
Em casa, homem, cavalo...

Há um lado lógico, certo, irreprimível, vazio
Como um discurso,
Um lado frágil, verde-úmido.
Há um lado comercial em mim,
Moeda falsa do que sou perante o mundo.

Há um lado em mim que está sempre no bar,
Bebendo sem parar.

Há um lado em mim que já morreu.
Às vezes penso se esse lado não sou eu

Paulo Mendes Campos

MARX VIVE

GM quer suspender contratos de mais de 5 mil funcionários

A General Motors (GM) comunicou o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos que pretende se utilizar do sistema de lay-off (suspensão temporária do contrato de trabalho) para os 5.400 trabalhadores da fábrica local. O comunicado também foi colocado nos quadros de avisos da unidade no interior paulista.
Para o presidente do sindicato, Antonio Ferreira de Barros, a medida não se sustenta em qualquer justificativa. Segundo ele, ao contrário das fábricas de Gravataí e São Caetano do Sul, que tiveram queda de produção este ano, a planta de São José dos Campos opera em ritmo normal.
(...)
Fonte: Lino Rodrigues, O Globo

quinta-feira, 24 de julho de 2014

MARTIROLÓGIO

Crianças palestinas ficam na parte de trás de um caminhão enquanto famílias deixam seus bairros para locais mais seguros em meio ao constante bombardeio israelense em Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza. Foto: Bilal Telawi / AFP
LINHAS DE FUGA

Uma semiótica da diferença pode ser útil para os que trabalham em serviços de saúde mental.  É sabido que há uma proliferação de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) por todo o país. Este dado não significa que as equipes técnicas estejam atuando efetivamente como grupos, nem que o projeto terapêutico se dê de forma integrada, ou que o ideário psiquiátrico haja cedido espaço em prol de novas abordagens clínicas.  Pelo contrário, a psiquiatria continua hegemônica, mesmo que os psiquiatras estejam escassos. Não importa. A forma-psiquiatria é parasitária das mentes mais diversas, inclusive as do próprio paciente.Daí a necessidade de um trabalho transdisciplinar operando na formulação de práticas clínicas com efeitos diretos sobre o paciente e o seu destino. Ou de nada valerão... 

A.M.

A DROGA DA OBEDIÊNCIA


O fingidor

O ermo que tinha dentro do olho do menino era um
defeito de nascença, como ter uma perna mais curta.
Por motivo dessa perna mais curta a infância do 
menino mancava.
Ele nunca realizava nada.
Fazia tudo de conta.
Fingia que lata era um navio e viajava de lata.
Fingia que vento era cavalo e corria ventena.
Quando chegou a quadra de fugir de casa, o menino
montava num lagarto e ia pro mato.
Mas logo o lagarto virava pedra.
Acho que o ermo que o menino herdara atrapalhava
as suas viagens.
O menino só atingia o que seu pai chamava de ilusão.

Manoel de Barros

DAVE MACDOWELL


PETRO-FRAUDES III

Avaliações divergentes no TCU

(...) Foram apresentados dois pareceres divergentes pela área técnica do Tribunal de Contas da União. Um incluía Dilma entre os responsáveis. O outro a isentava de culpa. O documento que livrava Dilma dizia que se tratava de um negócio de alto risco, mas inerente à atividade da Petrobras. Portanto, seria um risco natural. Isso reforça o discurso do governo de que o negócio mostrava-se viável naquela época.
(...)
Gabriel Garcia

PETRO-FRAUDES-II

TCU culpa diretoria da Petrobras por prejuízo com Pasadena

Por unanimidade, o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou ontem a indisponibilidade de bens de ex-diretores da Petrobras que participaram do processo de compra da refinaria de Pasadena, no Texas. Em sessão plenária, os ministros chegaram à conclusão de que a Petrobras teve prejuízo de 792 milhões de dólares na operação de compra da refinaria nos Estados Unidos.
Ao analisar o caso, os ministros determinaram que o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli, os ex-diretores da Área Internacional, Nestor Cerveró, e de Refino e Abastecimento, Paulo Roberto Costa, tenham os bens indisponibilizados para futura reparação aos cofres públicos, mas isentou de responsabilidades a presidente Dilma Rousseff e os demais integrantes do Conselho de Administração da empresa na época do negócio.
(...)
Fonte: Laryssa Borges, Veja

quarta-feira, 23 de julho de 2014

CONSUMO DA DEPRESSÕES

Reduzir toda a complexidade do fenômeno depressivo ao funcionamento dos neurotransmissores é um insulto à inteligência dos pesquisadores do tema. No entanto, isso é o que empreende, nos dias atuais, a clínica da chamada psiquiatria biológica. 
Enquanto produção de subjetividade, esse dado não sai da mídia nem dos consultórios nem dos ambulatórios nem das mentes colonizadas nem dos meios acadêmicos mais respeitáveis.

A.M.

REQUINTES DO TERROR


Llueve fuego en Palestina. Increíble foto de una bomba racimo cayendo sobre Gaza. Este tipo de bomba de fósforo al impactar sobre un ser humano no se apaga con nada. Eso lanza sobre Gaza Israel. (Fonte: Cuba Debate)

terça-feira, 22 de julho de 2014

Eu não sabia 
que virar pelo avesso  
era uma experiência mortal

Ana Cristina Cesar

BOM NEGÓCIO

Pesquisa do Diap diz que 77% dos deputados federais tentam reeleição

Levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) mostra que 77% dos deputados federais - 399 dos 513 - tentam a reeleição. O Diap é um órgão formado por diversas entidades sindicais e que realiza estudos sobre o Congresso Nacional.
Conforme o Diap, 77 dos 513 deputados federais (15%) concorrem a outros cargos, como governador, senador ou deputado estadual. Do total, 37 não disputam nenhuma função pública - 7,2%.
(...)
Fonte: GI

segunda-feira, 21 de julho de 2014

BJORK - Travessia


Data daí a opinião particular que tenho do canapé. Ele faz aliar a intimidade e o decoro, e mostra a casa toda sem sair da sala. Dois homens sentados nele podem debater o destino de um império, e duas mulheres a graça de um vestido; mas, um homem e uma mulher só por aberração das leis naturais dirão outra coisa que não seja de si mesmos.

Machado de Assis

domingo, 20 de julho de 2014

BRIAN SIMPSON - Java Jazz 2006


O FUTEBOL, SEMPRE

O futebol é trágico. Trágico porque alegre, imprevisível, inexplicável, não se dobra ao modelo quantitativo do seu "acontecer", está além e aquém dos comentários rasteiros de apresentadores pífios, caçadores de audiências imbecilizantes, funciona na ambiguidade do futuro (quem vai vencer?), contém uma estética que precede toda racionalidade orgulhosa de si, trabalha com 90 minutos irreversíveis, joga com a sorte, idolatra o acaso, investe no puro talento, contempla e considera a competência técnica, flerta e se embriaga de arte, é arte, é arte, pura arte, completamente enlouquecedor para torcedores amantes da bola na trave, do verde-gramado, do contra-ataque mortífero, desdenha dos teóricos de carteirinha do jornalismo chifrin, sobrevive aos desmandos e corrupções dos poderes vigentes, surpreende nos minutos de descontos até os mais desconsolados e angustiados ou esperançosos torcedores, enfim, por isso e muito mais, o futebol é uma heresia santa, um dilúvio envolvente e enxuto, delírio de multidões, catarse sem igual,  orgasmo público ou apenas um gol sem preço no mercado (não existe gol feio), milhares deles, mesmo que não aconteçam, ainda que sonhados, o futebol é o esporte para além do esporte, uma metafísica encarnada na magia do drible, o gol de cabeça...um amor de criança.

A.M. postagem de 25.06.2011, revista e ampliada

RECESSO BRANCO


MONÓLOGO CLÍNICO

(...)A"consciência"está presente, de modo explícito ou não, na clínica psicopatológica atual e hegemônica. Pode-se dizer que é impossível realizar o exame do paciente sem pôr a questão: “ele está consciente”? Trata-se do conceito clínico de grau (ou nível) da consciência. Da vigília (a normalidade) ao coma, desenha-se um espectro de graus de consciência (torpor, turvação, obnubilação, etc) em que as estruturas neurocerebrais estariam comprometidas.A equação consciência=mente=cérebro é adotada como resposta teórica à clínica dos transtornos mentais. Tudo é cerebral ou cerebralizado.Quanto mais alguém está consciente, melhor estará funcionando o seu cérebro e, por extensão, a mente. Ora, tal proposição revela-se uma falácia, se considerarmos o que nos ensina a histeria. Neste caso, o cérebro está intacto. No entanto, para ser possível inserir um juízo moral, o examinador interpela:  “você sabe o que faz”?  Ou: “você tem noção (=consciência) dos seus atos”? Uma torção semiológica é encoberta pelo sistema fechado “cérebro/mente”. E o paciente não será escutado, embora "o seja".
(...)
A.M.

sábado, 19 de julho de 2014

Começava a ter medo dos outros. Aprendia que a nossa solidão nasce da convivência humana.

Nelson Rodrigues

AUGUSTE MACKE


SEM PAZ NEM PAÍS

Como os palestinos poderiam ser “parceiros legítimos” em conversações de paz, se não têm país? Mas como teriam país, se seu país lhes foi roubado? Os palestinos jamais tiveram escolha, além da rendição incondicional. Só lhes ofereceram a morte.
No conflito Israel-Palestina, as ações dos israelenses são consideradas retaliação legítima (mesmo que seus ataques sejam desproporcionais); e as ações dos palestinos são, sem exceção, tratadas como crimes terroristas. Um palestino morto jamais interessa tanto, nem tem o mesmo impacto, que um israelense morto.
(...)
Gilles Deleuze 

Publicado originalmente no Le Monde (7/4/1978) e, depois, em
Deux régimes de fous: Textes et entretiens, 1975-1995 (Minuit, 2003), org. de David Lapoujade.

STAN GETZ e JOÃO GILBERTO - Vivo Sonhando


Cada vez que se ouve: "Ninguém pode negar... "(ou) "Todo mundo há de reconhecer que..., "sabemos que vem uma mentira ou um slogan.

Gilles Deleuze

Gaza: tormento sem fim

Milagres

Ora, quem acha que um milagre é alguma coisa de especial? 
Por mim, de nada sei que não sejam milagres: 
ou ande eu pelas ruas de Manhattan, 
ou erga a vista sobre os telhados 
na direcção do céu, 
ou pise com os pés descalços 
bem na franja das águas pela praia, 
ou fale durante o dia com uma pessoa a quem amo, 
ou vá de noite para a cama com uma pessoa a quem 
/amo, 
ou à mesa tome assento para jantar com os outros, 
ou olhe os desconhecidos na carruagem 
de frente para mim, 
ou siga as abelhas atarefadas 
junto à colmeia antes do meio-dia de verão 
ou animais pastando na campina 
ou passarinhos ou a maravilha dos insectos no ar, 
ou a maravilha de um pôr-de-sol 
ou das estrelas cintilando tão quietas e brilhantes, 
ou o estranho contorno delicado e leve 
da lua nova na primavera, 
essas e outras coisas, uma e todas 
— para mim são milagres, 
umas ligadas às outras 
ainda que cada uma bem distinta 
e no seu próprio lugar. 

Cada momento de luz ou de treva 
é para mim um milagre, 
milagre cada polegada cúbica de espaço, 
cada metro quadrado da superfície da terra 
por milagre se estende, cada pé 
do interior está apinhado de milagres. 

O mar é para mim um milagre sem fim: 
os peixes nadando, as pedras, 
o movimento das ondas, 
os navios que vão com homens dentro 
— existirão milagres mais estranhos? 

(Leaves of Grass)
Walt Whitman

BLADE RUNNER BLUES - Vangelis -1982


É preciso que cada um se empenhe em destruir em si mesmo tais convicções não discutidas. É preciso que cada um aprenda a escapar da rigidez dos hábitos de espírito formados ao contato das experiências familiares. É preciso que cada um destrua, mais cuidadosamente ainda que suas fobias, suas "filias", suas complacências com as instituições primeiras.

Gaston Bachelard
Nossos filhos não são nossos. Eles são filhos da vida ansiando pela vida.

Friedrich Nietzsche
Se não existe vida fora da Terra, então o universo é um grande desperdício de espaço.

Carl Sagan

JOSÉ ZBUKVIC


A flor e a náusea

Uma flor nasceu na rua!
Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
Uma flor ainda desbotada
ilude a polícia, rompe o asfalto.
Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
garanto que uma flor nasceu.
É feia. Mas é flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio.

Carlos Drummond de Andrade