sexta-feira, 28 de novembro de 2014

ALÉM DA IMAGINAÇÃO - Fuga para a Morte


ARTE DO ENCONTRO

(...) A incerteza do eu e das crenças básicas  precede o Encontro. Não há clichês. O paciente   não tem forma. Seu desejo não tem forma. Ele age como produção de universos móveis.  Isso é difícil  de aceitar. Como encontrar  o paciente pela via da multiplicidade? Como acessá-lo de um modo diferente do da psiquiatria biológica e farmacológica? Parece quase impossível ou talvez algo delirante para os que estão presos à grade da CID-10. Encontrar o paciente é encontrar a si mesmo. Esta seria uma fórmula estéril se estivesse atada à visão do eu como interioridade psíquica. Contudo, trata-se de outra coisa.Buscamos sair de nós e dos nós mediante uma exposição aos signos do mundo. Trata-se de uma pesquisa de singularizações raras. “Você traz o Novo que me faz ser diferente”. É uma base para o tratamento,são potências a serem descobertas no paciente e no psiquiatra. O paciente,apesar de codificado pela psiquiatria (mesmo que nunca tenha ido a um psiquiatra), funciona  em linhas da diferença que vazam. A forma dada, estática, no fim das contas, é um efeito do poder médico. Isso dificulta uma prática em direção a expressões novas. Sendo assim, o exame da mente para encontrar a mente terá que se transformar numa produção/intuição de multiplicidades. Não mais haveria exame mental porque a “mente” não é algo  visível. E o que seria examinado (ou encontrado)? Devires. Eles compõem processos do desejo e articulam crenças. Deste modo, afetos e crenças desarranjam a máquina dos sintomas-fármacos.
(...)
A.M. in Trair a psiquiatria
RARO

Ser jovem quer dizer ser original, quer dizer conservar-se próximo das fontes da vida, quer dizer erguer-se e sacudir as amarras de uma civilização obsoleta, ousar o que outros não têm coragem de arriscar, e saber voltar a imergir no elementar.

Thomas Mann
COMUNICAR NÃO É PENSAR

Enfim, o fundo do poço da vergonha foi atingido quando a informática, o marketing, o design, a publicidade, todas as disciplinas da comunicação apoderaram-se da própria palavra conceito e disseram: é nosso negócio, somos nós os criativos, nós somos os 'conceituadores'!
(...)
Deleuze e Guatari in O que é a filosofia?

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

GRANDES ESCRITOS


O artista tem que ser gênio para alguns e imbecil para outros. Se puder ser imbecil para todos, melhor ainda.

Nelson Rodrigues
RITUAL DOS 4 VENTOS & DOS 4 GAVIÕES

Ali onde o gavião do Norte resplandesce
sua sombra
Ali onde a aventura conserva os cascos 
do vudú da aurora
Ali onde o arco-íris da linguagem está 
carregado de vinho subterrâneo 
Ali onde os orixás dançam na velocidade 
dos puros vegetais
Revoada das pedras do rio
Olhos no circuito da Ursa Maior 
na investida louca
Olhos de metabolismo floral
Almofadas de floresta
Focinho silencioso da sussuarana com
passos de sabotagem
Carne rica de Exú nas couraças da noite
Gavião-preto do oeste na tempestade sagrada
Incendiando seu crânio no frenesi das açucenas
Bate o tambor
no ritmo dos sonhos espantosos
no ritmo dos naufrágios
no ritmo dos adolescentes
à porta dos hospícios
no ritmo do rebanho de atabaques 
Bate o tambor
no ritmo das oferendas sepulcrais 
no ritmo da levitação alquímica 
no ritmo da paranóia de Júpiter 
Caciques orgiásticos do tambor
Com meu Skate-gavião
Tambor na virada do século ganimedes
Iemanjá com seus cabelos de espuma.

Roberto Piva

OPERAÇÃO LAVA JATO


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

NEURÔNIOS AFLITOS

A relação psiquiatra-paciente está marcada pela história do poder psiquiátrico  consolidado  no século XX. Nos dias que correm, são muitas as suas  máscaras, muitos os seus disfarces. Existe, por exemplo, a psiquiatria oficial com expressão mercadológica (publicitária, midiática) obtida através das associações da categoria (há muitos sites à respeito), a psiquiatria biológica em sua versão humanista ou a psiquiatria universitária operando pesquisas duplo-cego sob o manto epistemológico apaziguador da ciência "neutra". Essas e outras formações institucionais se nivelam numa crença comum: o paciente é um organismo individual (físico-químico) avariado. Resta ao psiquiatra prescrever remédios à mão cheia. E "consertá-lo". Isso garante ao profissional do "cérebro-mente" uma estabilidade existencial, para não dizer material, um status, um território de poder e uma respeitabilidade científica (?!). Antes da terapêutica adotada, invariavelmente psicofarmacológica, um cientificismo oculto lhe confere a fármaco-verdade. Por isso o ato de medicar se reveste de nuances quase sempre desconhecidas e é aceito, em geral, como benefício inquestionável.

A.M. 
ORGULHO DA SERVIDÃO

Os escravos do século XXI não precisam ser caçados, transportados e leiloados através de complexas e problemáticas redes comerciais de corpos humanos. Existe um monte deles formando filas e implorando por uma oportunidade de trocar suas vidas por um salário de miséria. O “desenvolvimento” capitalista alcançou um tal nível de sofisticação e crueldade que a maioria das pessoas no mundo tem de competir para serem exploradas, prostituídas ou escravizadas.

 Luther Blissett
Arte pra mim não é produto de mercado. Podem me chamar de romântico. Arte pra mim é missão, vocação e festa.

Ariano Suassuna

WASSILY KANDINSKY


O HOMEM

Agora pergunto-lhe: o que podemos esperar do homem enquanto criatura dotada de tão estranhas qualidades? Faça chover sobre ele todos os tipos de bênçãos terrenas; submerja-o em felicidade até acima da cabeça, de modo que só pequenas bolhas apareçam na superfície dessa felicidade, como se em água; dê a ele uma prosperidade econômica tamanha que nada mais lhe reste para ser feito, exceto dormir, comer pão-de-ló e preocupar-se com a continuação da história mundial — mesmo assim, por pura ingratidão, por exclusiva perversidade, ele vai cometer algum ato repulsivo. Ele até mesmo arriscará perder o seu pão-de-ló e desejará intencionalmente o mais depravado lodo, o mais antieconômico absurdo, simplesmente a fim de injetar o seu fantástico e pernicioso elemento no âmago de toda essa racionalidade positiva.
(...)
Dostoiévski in Notas do Subterrâneo

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Polícia na Espanha prende 4 padres suspeitos de participação em rede de abuso sexual

A polícia espanhola prendeu quatro padres suspeitos de envolvimento em uma rede de abusos sexuais descoberta em Granada. Entre os detidos estão o padre Román, de 61 anos, dirigente do clã de padres ultraconservadores ‘Os Romanones’, já denunciado neste escândalo sexual; Manuel Morales, que nos últimos anos substituiu Román à frente do clã; e Francisco Javier Montes. As informações foram divulgadas pelo ministro do Interior, Jorge Fernández Díaz.

Segundo o jornal "El Mundo", as prisões foram ordenadas pelo juiz Antonio Moreno Marín, titular do Juizado de Instrução número 4 de Granada, que investiga as denúncias de supostos abusos. A ordem judicial teve início com uma denúncia feita em outubro, de supostos abusos sofridos por um jovem de 24 anos, quando ainda era menor de idade.
(...)
Fonte: O Globo,25.11.2014 -05h13

RICARDO SILVEIRA - Portal da Cor


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

A FARSA DO AMOR


1

olho seco de cobra
morta —
chuva muito fina
agulhas
na carne viva

& você diz Amor
(velha senha secreta)

lambe as feridas
com língua de lixa
& tranca o trinco da jaula


2

não tente esse truque
outra vez

seja mais suja
meu doce amor

espete um alfinete
no olho do gafanhoto

toque fogo
nas asas de um anjo

capture vivo um ET
& o leve a um talkshow

mas não tente prender os lobos
quando for lua cheia


Ademir Assunção
UMA CLÍNICA ÓRFÃ

A luta pela diferença passa por uma rachadura no conceito de saúde mental. Desse modo, o espaço-tempo do trabalho com o paciente alarga-se ao ponto de não mais pertencer ao mercado da saúde mental e sim aos territórios coletivos conquistados no encontro com a loucura. Dissolve-se o conceito de transtorno mental, aliás, um pseudo-conceito. Quem é o doente? O que é doença?  Não há certezas. Este fato é condição elementar para desfazer a saúde mental como organização da forma-Estado (as famosas políticas públicas) e substitui-la por uma clínica órfã e molecular, produzindo e operando seus próprios códigos. Um novo regime de signos poderá, então, surgir dos problemas (sempre há) que o paciente traz. O diagnóstico submete-se ao contexto social  e não o contrário. 

A.M.
UM LONGO ERRO

Ao contrário do que hoje se crê, a humanidade não representa uma evolução para algo melhor, de mais forte ou de mais elevado. O "progresso" é simplesmente uma ideia moderna, ou seja, uma ideia falsa.

Friedrich Nietzsche

PEDIDOS


SEM CONTROLE

Havia-me preparado para todas as eventualidades da vida. Imaginei-me amarrado para ser fuzilado, esforçando-me para não tremer nem chorar; imaginei-me assaltado por facínoras e ter coragem par enfrenta-los; supus-me reduzido à maior miséria e a mendigar; mas por aquele transe eu jamais pensei ter de passar. Como é dificil controlar o amor.

Lima Barreto