sexta-feira, 17 de abril de 2015

QUEM SOU?

Não sei quem sou, que alma tenho.
Quando falo com sinceridade não sei com que sinceridade falo.
Sou variamente outro do que um eu que não sei se existe (se é esses outros)...
Sinto crenças que não tenho.
Enlevam-me ânsias que repudio.
A minha perpétua atenção sobre mim perpetuamente me ponta
traições de alma a um carácter que talvez eu não tenha,
nem ela julga que eu tenho.
Sinto-me múltiplo.
Sou como um quarto com inúmeros espelhos fantásticos
que torcem para reflexões falsas
uma única anterior realidade que não está em nenhuma e está em todas.
Como o panteísta se sente árvore (?) e até a flor,
eu sinto-me vários seres.
Sinto-me viver vidas alheias, em mim, incompletamente,
como se o meu ser participasse de todos os homens,
incompletamente de cada (?),
por uma suma de não-eus sintetizados num eu postiço."

Fernando Pessoa
LIVRE

Que nada nos limite, que nada nos defina, que nada nos sujeite. Que a liberdade seja nossa própria substância, já que viver é ser livre. Porque alguém disse e eu concordo que o tempo cura, que a mágoa passa, que decepção não mata. E que a vida sempre, sempre continua.
(...)
Simone de Beauvoir

quinta-feira, 16 de abril de 2015

ESQUIZO

Me canso fácil dos preciosos intelectos que precisam cuspir diamantes toda vez que abrem as suas bocas. Eu me canso de ficar batalhando por cada espaço de ar para o espirito. É por isso que me afasto das pessoas por tanto tempo, e agora que estou encontrando as pessoas, descubro que preciso voltar para a minha caverna.
(...)
Charles Bukowski

GRANDES ESCRITOS


quarta-feira, 15 de abril de 2015

Vaccari desviava dinheiro para o PT havia dez anos, segundo investigação

Preso nesta quarta-feira (15), Vaccari prestou depoimento à CPI da Petrobras na semana passada

Investigação do MPF (Ministério Público Federal) e da PF (Polícia Federal) aponta que o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, desviava recursos para o partido desde 2004. Vaccari foi preso na manhã desta quarta-feira (15) em São Paulo em nova etapa da Operação Lava Jato.

"Já sabíamos que doações oficiais na verdade escondiam operações de lavagem de dinheiro. Nós verificamos que Vaccari tem uma trajetória desse tipo de operação desde 2004", afirmou o procurador de Justiça Carlos Fernandes Santos Lima, em entrevista coletiva em Curitiba na manhã de hoje. 
(...)

Do UOL, em São Paulo, 15/04/2015, 11:16 hs
O FIM E O FIM DO DIAGNÓSTICO PSIQUIÁTRICO VI

Quando a psiquiatria buscava o diagnóstico absoluto, como diz Foucault, ela queria saber, em cada caso clínico, se se tratava de loucura ou não. O diagnóstico diferencial vinha depois e nem era importante. Isto se consolidou na segunda metade do século XIX, na Europa, com os trabalhos de E. Kraepelin. Hoje, as coisas mudaram e não mudaram. Seguinte: a identificação da loucura é cada vez menos necessária, na medida em que a medicalização "cidológica" encontrou a sociedade de controle e considera a existência de loucos, doentes a priori, todos nós. Assim, ao invés de um, muitos loucos, milhares, milhões deles diagnosticados ou em vias de se tornarem e serem "efetivamente" loucos. É que a dissolução do Sentido, o estilhaçamento da subjetividade (quem sou?) é um fenômeno planetário que se reproduz "localmente" nas culturas mais diversas. No fundo, só há uma Subjetividade, a capitalística, a burguesa, a classe tornada Única, a  terrível classe dos homens cinzentos, pelo menos até agora. Sob tais condições como fazer uma clínica da diferença? Como fazer a Diferença num mundo indiferenciado?

A.M.

SAPO  

O que procuras, homem de Deus?
Procuro o beijo de uma princesa perversa
que me devolva ao brejo.
Cansei de ser príncipe.


Eudoro Augusto
LUTAS

Eu lutei contra a dominação branca, e eu lutei contra a dominação negra. Eu nutri o ideal de uma sociedade democrática e livre, na qual todas as pessoas vivem juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal que espero viver para alcançar. Mas, se for preciso, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer.
(...)
Nelson Mandela

ALEXEY SLUSAR


LINHAS: QUAIS?

As linhas se inscrevem em um Corpo sem órgãos, no qual tudo se traça e foge, ele mesmo uma linha abstrata, sem figuras imaginárias nem funções simbólicas: o real do CsO. A esquizoanálise não tem outro objeto prático: qual é o seu corpo sem órgãos? quais são suas próprias linhas, qual mapa você está fazendo e remanejando, qual linha abstrata você traçará, e a que preço, para você e para os outros? Sua própria linha de fuga? Seu CsO que se confunde com ela? Você racha? Você rachará? Você se desterritorializa? Qual linha você interrompe, qual você prolonga ou retoma, sem figuras nem símbolos? A esquizoanálise não incide em elementos nem em conjuntos, nem em sujeitos, relacionamentos e estruturas. Ela só incide em lineamentos, que atravessam tanto os grupos quanto os indivíduos. Análise do desejo, a esquizoanálise é imediatamente prática, imediatamente política, quer se trate de um indivíduo, de um grupo ou de uma sociedade. Pois, antes do ser, há a política. 
(...)
G. Deleuze e F. Guattari in Mil platôs, vol 3

terça-feira, 14 de abril de 2015

DIANA KRALL - You´re Getting To Be A Habit With Me



Minhas certezas se alimentam de dúvidas.
E há dias em que me sinto estrangeiro em Montevidéu como seria em qualquer lugar do mundo. E, nestes dias, dias sem sol, noites sem lua, nenhum lugar é meu lugar…
…e não consigo me reconhecer em nada nem em ninguém.
(...)

Eduardo Galeano

segunda-feira, 13 de abril de 2015

A  VIDA  NÃO  MORRE

Morreu na manhã desta segunda-feira (13), o escritor e jornalista uruguaio Eduardo Galeano, 74. A informação foi confirmada pela sua editora ao jornal "El País". Ele estava internado em um hospital em em Montevidéu desde sexta-feira e não resistiu a complicações decorrentes de um câncer no pulmão, diagnosticado em 2007.

Referência do pensamento de esquerda na América Latina, Galeano publicou em 1971 sua obra mais conhecida, "As Veias Abertas da América Latina", em que analisa a História do continente, desde o período colonial, argumentando contra o que considerava exploração econômica e política do povo latino-americano pela Europa e pelos Estados Unidos. O livro tornou-se um clássico entre os intelectuais de esquerda latino-americanos e o forçou a se exilar na Argentina após o golpe militar no Uruguai, em 1973.

Combinando análise política com jornalismo e ficção, Galeano desvendou a alma da América Latina em obras como "Memória do Fogo", trilogia em que dissecava as principais figuras históricas no período colonial do continente, o que lhe rendeu comparações a John Dos Passos e Gabriel García Marquez. A trilogia foi premiada pelo Ministério da Cultura do Uruguai e recebeu o American Book Award (Washington University, EUA) em 1989.

(...)  Do UOL, São Paulo, 13/04/2015
A INVENÇÃO DO ALÉM

Foram os escravos, os vencidos pela vida, que inventaram o além para compensar sua miséria. Criaram o mito da salvação da alma, porque não tinha a saúde do corpo, elaboraram a ficção do pecado, porque não podiam desfrutar das alegrias dos fortes.
(...)
Friedrich Nietzsche