terça-feira, 21 de maio de 2019

Tratado geral das grandezas do ínfimo

A poesia está guardada nas palavras — é tudo que eu sei.

Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogio


Manoel de Barros

segunda-feira, 20 de maio de 2019

TAURUS

O decreto assinado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, que regulamenta o porte e posse de armas no país, possibilitará que qualquer cidadão possa comprar um fuzil.

A compra do fuzil passou a ser possível a partir da nova classificação estabelecida pelos responsáveis pelo decreto. No documento, se aumenta em até quatro vezes o valor do poder de fogo de armas que podem ser adquiridas pelos civis.

A nova classificação inclui o fuzil T4, uma arma usada por forças táticas militares e produzida no Brasil pela empresa Taurus.
(...)

Leslie Leitão e Paulo Renato Soares, Jornal Nacional,20/05/2019, 20:57 hs, atualizado há 20 min.

GLÓRIA FEITA DE SANGUE - direção de Stanley Kubrick, 1957

Talvez os poetas estejam certos. Talvez o amor seja a única resposta.

Woody Allen
SUBJETIVAÇÃO PSIQUIÁTRICA

(...)
Fiel às suas origens embrenhadas em relações de poder, a psiquiatria consiste numa forma  social ou forma de relação social que se propaga e se institui como subjetivação psiquiátrica. Isso atinge intensamente a todos os que  estão envolvidos  com a  problemática  do louco, inclusive  o próprio louco, que passa a se chamar “psicótico”. É importante frisar, de acordo com a definição institucional, que não nos referimos à psiquiatria apenas como organização visível ( o hospital) nem tampouco como dispositivo (o ato médico). Falamos da  psiquiatria  como  uma  forma  social tanto mais  abstrata  e  invisível quanto mais concreta  e incisiva nas suas práticas de subjetivação. Pensar  psiquiatricamente,sentir psiquiatricamente, perceber psiquiatricamente, agir psiquiatricamente etc. Há, pois, uma subjetividade psiquiátrica  que atravessa  segmentos não psiquiátricos no campo da saúde mental, como é  o caso da psicologia e demais saberes da área psi.
(...)

A.M.


Obs.: extraído do texto "o diagnóstico psiquiátrico e a clínica da diferença"

GEORGY KURASOV


Ofício

Constróis com empenho
teu artefato de sílabas.

Enuncias a noite
alcanças o feminino 
das coisas sem gênero
vagueias no campo branco
do que não se diz.

Relojoeiro, numismata
colecionador de conchas do mar
gastas o olho
e a alma 
nesse ofício minúsculo.

Tua ração é o tempo
o tempo e seu estandarte
de sustos
paisagem sem freios
à janela do trem.

Mas sabes: 
depois de tantos incêndios
luas novas e paixões
o que se aprende é bem pouco.

Bastaria dizer:
os espinheiros florescem
na varanda.


Carlos Machado

domingo, 19 de maio de 2019

Num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra.

Caio Fernando Abreu

O QUE É PENSAR?

Trabalhar com pacientes num Caps implica em sair das grades do manicômio, do ambulatório, do consultório, estes por sua vez marcados pela forma-hospício. Significa explorar linhas de multiplicidade, mesmo e principalmente no paciente identificado ao portador de transtorno mental. Há linhas não percebidas, talvez invisíveis. Pacientes registrados, cadastrados, codificados, rotulados sob o efeito de formas sociais (instituições) como a família, a clínica, a escola, o trabalho, o direito, o estado, a polícia, o casamento, entre outras, estão enfiados em buracos negros onde o devir-pensamento foi relegado a uma atividade cognitiva mínima, rasteira, como consta nos manuais psiquiátricos. Curso, forma, conteúdo, raciocínio, juízo, são categorias semiológicas usadas num exercício de mortificação do devir-pensamento. Elas compõem o mundo da  representação. Tornar o pensamento visível e frear a sua velocidade infinita é assunto e tarefa de psiquiatras torturadores e adquire na clínica atual o requinte das tecnologias de ponta. Subjacente à técnica, existe a crença de que o paciente não pensa, ou se pensa, é para responder qual o nome, que dia é hoje, onde estamos, que veio fazer aqui, etc. Insistimos no dado de que o pensamento não é só o que é falado, mas o que é experimentado via sensações, intensidades, afetos. A alma é o pensamento. O que muitas vezes não  pode ser dito, não chega a ser  dito, não consegue ser dito. Mas existe.
(...)

A.M.

sábado, 18 de maio de 2019

Apesar das ruínas e da morte,
Onde sempre acabou cada ilusão,
A força dos meus sonhos é tão forte,
Que de tudo renasce a exaltação
E nunca as minhas mãos ficam vazias.

Sophia de Mello Breyner Andresen

ZECA BALEIRO - Bicho de sete cabeças

A LOUCURA, HOJE

O Movimento da Luta Antimanicomial nasceu junto às lutas políticas no período imediatamente pós-ditadura militar. Era 1987. Ele se alia à chamada reforma psiquiátrica e se conjuga ao projeto de implantação do SUS. Então, pensar a Luta hoje seria pensar sócio-políticamente a relação com o paciente.Uma perspectiva que nos conduz ao presente, justo quando forças conservadoras impregnam o país. Tais forças são poderes explícitos e/ou implícitos. O estado e a psiquiatria:  instituições avessas à loucura e daí à lógica antimanicomial.  Aliadas a outras instituições (escola, direito, polícia, família, etc) elas odeiam esse tipo de abordagem. Querem mais é medicalizar a vida, tamponar o desejo, racionalizar a existência e manter um status hegemônico. Assim, a figura sinistra do manicômio torna-se concreta na ordem subjetiva vigente; um muro. A luta antimanicomial é um ato de resistência contra os manicômios internos de todos nós.

A.M.
Solução melhor é não enlouquecer mais do que já enlouquecemos, não tanto por virtude, mas por cálculo. Controlar essa loucura razoável: se formos razoavelmente loucos não precisaremos desses sanatórios porque é sabido que os saudáveis não entendem muito de loucura. O jeito é se virar em casa mesmo, sem testemunhas estranhas. Sem despesas.
(...)

Lygia Fagundes Telles