segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

UFOS, O ENIGMA

No final da década de 1970, mas precisamente nos anos de 1977, 1978 e 1979, vários estados da região Norte e Nordeste, notadamente Amazonas e Pará, na região Norte e Maranhão e Piauí, na região Nordeste, foram palco de estranhos eventos que provocaram medo na população local. Várias pessoas, em sua maioria mulheres, eram atacadas por fachos de luz provenientes de estranhos objetos luminosos que sobrevoavam a região durante a noite.

O primeiro caso teria ocorrido na noite de 25 para 26 de abril de 1997, na região da Ilha dos Caranguejos, no litoral do Maranhão, quando quatro pescadores, Firmino, Apolinário, Aureliano e José, pescavam na região a bordo do barco Maria Bonita. No dia 26 de abril o barco foi encontrado a deriva, com um dos tripulantes morto e os outros vivos, mas bastante debilitados. Eles declararam terem sido atingidos por uma uma luz vinda do céu .

Os casos continuaram a ocorrer na região e no últimos trimestre de 1977, a região ao norte de Belém, foi assolada pelo fenômeno, já apelidado de Chupa-Chupa, devido à natureza de seus ataques. Tal situação gerou um cima de terror e pânico coletivo. Moradores das regiões de incidência do fenômeno começaram a abandonar a região. A situação atingia níveis críticos. O posto de saúde da cidade estava lotado de vítimas do fenômeno. Elas estavam debilitadas e aterrorizadas. 

 O prefeito da cidade de Vigia, que era uma das mais atacadas pelo fenômeno, enviou um oficio à Aeronáutica avisando que OVNIs estavam incomodando os pescadores locais e criando pânico na região. Ele pediu providências da Aeronáutica que destacou uma equipe investigar as ocorrências. Era o início da chamada Operação Prato.

Em poucos meses de atividades, a equipe de oficiais da Aeronáutica conseguiu dezenas de fotografias de várias gravações em vídeo de Objetos não identificados sobrevoando a região de Colares, no Pará. A equipe coletou o depoimento de dezenas de pessoas de diversas cidades atingidas pelo fenômeno. Este material todo gerou um relatório técnico-operacional impresso com centenas de páginas contendo depoimentos, relatos pessoais da equipe da FAB, croquis e mapas das ocorrências, e desenhos ilustrativos. Tudo isto com a precisão e objetividade característicos das Forças Armadas. 

A Operação Prato sempre esteve presente nos meios ufológicos nacionais e internacionais. Haviam algumas cópias das fotografias e o relatório operacional da Operação em poder de Ufólogos, porém faltavam declarações dos próprios militares envolvidos na Operação. Em 1997, estes militares começaram a relatar suas experiências publicamente. O primeiro deles foi o comandante da Operação, o então Coronel Uyrangê Bolivar Sores Nogueira de Hollanda que em longa entrevista à Revista UFO apresentou detalhes até então inéditos sobre o Fenômeno Chupa-Chupa e as experiências da Operação frente ao misterioso enigma.

Fonte: site FENOMENUM - A pesquisa Ufológica com Seriedade e Objetividade, acessado em 26/01/2015

Nota do Blog: A entrevista a seguir, registrada em vídeo, foi concedida  a A.J. Gevaerd e Marco Antonio Petti, respectivamente, editor e co-editor da Revista UFO,  na residência do coronel Uyrangê de Hollanda em agosto de 1997 na sua residência em Cabo Frio, litoral do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário