terça-feira, 18 de julho de 2017

       peixes de luz

         
         pessoas
         fossem peixes de luz

         fosforecessem
         sob algas invisíveis

         no mel do outono

         nenhum anzol
         ousasse fisgá-las

         palavra alguma
         profanasse
         a voz do silêncio

         apenas arrepio de pele
         eriçar de pêlos
         crispas d´água

         lua mínima ardendo
         na fase pálida do papel



             Ademir Assunção

Nenhum comentário:

Postar um comentário