segunda-feira, 17 de julho de 2017

ESCUTA

No funcionamento de um Caps, a equipe técnica somos todos. Para isso ser possível, trata-se de inventar a função do técnico em saúde mental. Sua inserção prática começa no ato do acolhimento. É aí onde se dá a escuta como forma dinâmica de estar com o paciente, desde que o técnico aceite ser afetado pelos fluxos da loucura. Sem juízo moral, sem preconceito, sem medo. Não como um dever a cumprir, não como um protocolo clínico, mas como aceitação do Outro e validação da fala, até a mais estranha e insondável. Pois tudo parte das questões: o que quer quem procura um Caps? O que quer quem trabalha num?

A.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário