domingo, 6 de agosto de 2017

QUAL ÉTICA?

A psiquiatria carece de um trabalho ético profundo, radical. Uma ética não idealista, mas encravada nas condições da prática clínica. Sabemos que as suas bases teóricas são simplórias e frágeis, mas se mantém atuantes e poderosas. É que alianças institucionais (estado, família, academia, direito, polícia, escola, medicina e tantas outras) capturam o paciente dito mental num retrato irracional em tempos de razão técnica. Assim, garantem a permanência do Mesmo sob os disfarces do crônicamente Novo (a reforma psiquiátrica, as políticas de saúde mental, os debates acadêmicos, etc).  Trata-se de uma sedação sem remédio... 


A.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário