domingo, 3 de junho de 2018

A DIREITA CAMUFLADA

Em artigo veiculado neste domingo, o grão-mestre do tucanato Fernando Henrique Cardoso anotou que o Brasil só sairá da “enrascada” em que se encontra se a “nova liderança” a ser eleita na sucessão de 2018 “for capaz de apelar para o que possa unir a nação: finanças públicas saudáveis e políticas adequadas, taxas razoáveis de crescimento que gerem emprego, confiança e decência na vida na vida pública.” Defendeu a formação de uma “união de setores progressistas” composta de políticos “que tenham inclinação popular”. Não há no texto vestígio de menção ao nome de Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB.

FHC fez no artigo uma avaliação do caminhonaço que travou o país por dez dias: “A dita ‘greve’ dos caminhoneiros veio servir uma vez mais para ignição de algo que estava já com gasolina derramada: produziu um contágio com a sociedade, que, sem saber bem das causas e da razoabilidade ou não do protesto, aderiu, caladamente, à paralisação ocorrida. Só quando seus efeitos no abastecimento de combustíveis e de bens essenciais ao consumo e mesmo à vida, no caso dos hospitais, tornaram-se patentes, houve a aceitação, também tácita, da necessidade de uma ação mais enérgica para retomar a normalidade.”

Para FHC, a calmaria é enganosa: “…Que ninguém se engane: é uma normalidade aparente. As causas da insatisfação continuam, tanto as econômicas como as políticas, que levam na melhor das hipóteses à abstenção eleitoral e ao repúdio de ‘tudo que aí está’. Portanto, o governo e as elites políticas, de esquerda, do centro ou da direita, que se cuidem, a crise é profunda.”
(...)

Do Blog do Josias de Souza,03/06/2018, 04:14 hs

Nenhum comentário:

Postar um comentário