terça-feira, 5 de junho de 2018

Está envenenada a terra que nos enterra ou desterra.
Já não há ar, só desar.
Já não há chuva, só chuva ácida.
Vista do crepúsculo no final do século

Já não há parques, só parkings.

Já não há sociedades, só sociedades anónimas.
Empresas em lugar de nações.
Consumidores em lugar de cidadãos.
Aglomerações em lugar de cidades.
Não há pessoas. Só públicos.
Não há visões. Só televisões.
Para elogiar uma flor, diz-se: "parece de plástico".


Eduardo Galeano

2 comentários:

  1. Que não nos percamos nesse ATERRO. Vamos plantar mais orquídeas eternas.

    ResponderExcluir
  2. Se já não há parques, plantemo-nas, então, na ALMA.

    "Plantar um bosque na alma, e curtir a sombra, o vento, as crianças, o sossego. Não precisam ser reais. Eu até acho que a realidade não existe: existe o que nós criamos, sentimos, vemos ou simplesmente imaginamos".

    Lya Luft

    ResponderExcluir