quinta-feira, 23 de junho de 2011

\
Ética e  Clínica – 2



                                                                  Antonio  Moura


    


     A  psiquiatria chama o  seu   paciente de  “portador de  transtorno mental”. Nem  sempre explícito,  tal enunciado   está  na bíblia  dos diagnósticos, a  CID.  A expressão “mental”  é usada  de modo naturalizado, ou seja, todo mundo  sabe  o que  é  “mental”. A  metonímia  “ele  é  um  mental”  expõe   o  nervo  do   estigma.
    Contudo,  no  Encontro com a loucura,    acontece  outra  coisa: a  mente  some   como substância,  ou  como  algo  palpável.   Dilui-se   num  vazio  sem  forma.
     Encontrar o  paciente  seria    então  possível?
   Sim, na medida em que  se   adentre   ao   Acaso,  ao  Indeterminado  e ao  Desconhecido.  Esta  é a   condição.   Como,  então,   trabalhar a clínica?  A experiência da prática  mostra que    ela  só existe como abertura  ao  mundo.  Por  outro  lado, a     ética – essência da clínica -   sustenta-se   na alegria.   É  a  força  maior.   “O regime da alegria é  o do  tudo  ou  nada: não  há senão alegria total  ou nula” [1].
     A  psicopatologia da  diferença   busca,  então,    atuar  em   linhas   existenciais desprezadas  pela  razão.  Lida com  o  incurável,  o imprestável,   e  com  discursos   submetidos  às formações de poder.  Requer um  desejo   não apoiado na realidade objetiva   pois    o  desejo é a  própria   realidade objetiva.  No  universo  sedutor-violento  do  capital, a  aposta  num trabalho com  pacientes  graves  capta  o ritmo das  canções  sem  dono. Tudo  é impessoal e    coletivo.   O  Caps    torna-se, então,    a   procura   de saídas não  cadastradas pela psiquiatria   canônica. A  ótica  da  diferença é  o  novo.  A  ética  precede  a técnica.
     Quem arrisca?
  Legiões  de psiquiatrizados  de toda parte ajoelham-se  no altar  dos  psicofármacos e   dos   cérebros   à mão. Tudo   conspira a  favor do consumo  de   pacotes  cientificamente autorizados  para ações lucrativas. No  entanto,  mesmo   desbotada e segregada nos  grilhões cidológicos , a diferença  resiste.   A ética da potência  de  viver afirma-se    como  ética  de poetas   itinerantes.
    O discurso e a prática da  diferença  exploram  o avesso   da  ordem  do  estado  capitalista. Quem se  interessa  em criar,  fazer nascer?   Pergunta  insana,  na  medida em que  os  poderes investem na   repetição do  mesmo e  no  rigor  mortis   do pensamento.  Por  isso,   uma  clínica  da diferença considera as  determinações sócio-políticas  como  a     superfície  da  ação  mais  concreta. O  ato  clínico.  Em  suas  pesquisas, não  encontra  respostas  exatas, mas   problemáticas instigantes.
    Se  a loucura   é  a experiência que   atravessa a subjetividade,  (mesmo que não estejamos    loucos, podemos entrar  num devir-loucura), tudo  muda  na  percepção fina  da  realidade do  Encontro. Um novo universo se  desvela. Somos devires incontroláveis.


[1] Moura, A., Trair a psiquiatria,  a ser publicado.

Um comentário:

  1. algum dia sairei do rotulo de portadora de transtorno mental?patricia

    ResponderExcluir